Você sabe o que é empreendedorismo social?

Você sabe o que é empreendedorismo social?

O empreendedorismo – e não a filantropia – é a grande solução para a pobreza do mundo, por meio dos chamados negócios sociais.

O mundo globalizado colocou em evidência as desigualdades econômicas e sociais: as pessoas começaram a questionar o propósito do desenvolvimento voltado ao benefício de poucos e sem uma finalidade que contribua para a melhoria da qualidade de vida de todos.

O economista e ganhador do Prêmio Nobel da Paz de 2016, Muhammad Yunnus, relatou em entrevista recente ao jornal Folha de São Paulo, que ficou incomodado com as discrepâncias socioeconômicas quando lecionava em uma Universidade de Bangladesh, pois a mesma ficava localizada em um bairro muito pobre, colocando em destaque a distância entre a academia e a população, que no caso, passava fome. “Eu dava minha aula de economia na universidade, mas a alguns metros da minha sala tinham pessoas morrendo de fome. Como mudar isso?”.

A solução encontrada por ele foi o empreendorismo social ou negócios sociais , termo que criou, no qual o foco da maximização do lucro daria lugar à melhoria da qualidade de vida. Afinal, num mundo em que as tecnologias agrícolas e industriais foram capazes de vencer a fome, é inadmissível que ela ainda seja a causa de morte de grandes populações menos privilegiadas.

Bill Drayton, fundador da Ashoka*, diz que, “empreendedores sociais são a força corretiva essencial”, porque suas ideias e visões para a transformação positiva do mundo impactam diretamente a vida de milhões de pessoas. E, ainda, servem de modelo, no momento em que transmitem seu conhecimento para outros indivíduos e organizações interessados em empreender em produtos e serviços que tenham o propósito de gerar impacto social.

Competências específicas

Aplicar esse modelo, entretanto, requer algumas competências diferentes das comumente utilizadas no empreendedorismo tradicional, conforme explica Lina Maria Useshe, CEO da Aliança Empreendedora. Ela diz que, embora existam cada vez mais pessoas com experiência de mercado vindo para o terceiro setor, há todo um processo de adaptação que precisa ser feito, tanto conceitual quanto de compreensão da nova forma de trabalho e dos princípios e valores da organização.

“É importantíssimo que o ecossistema de impacto social tenha bons profissionais. Mas isso não significa só competências tradicionais, como capacidade de gestão, de entrega e habilidades técnicas específicas. Significa também que este profissional tenha valores sólidos, empatia, respeito e humildade” , esclarece.

No caso da Aliança Empreendedora, Lina avalia que os profissionais precisam de conhecimentos muito específicos, como capacidade de facilitação, gerenciamento de projetos, metodologias ágeis, comunicação/marketing, storytelling, LGPD, advocacy, entre outros temas.

Para saber mais sobre empreendedorismo social e boas práticas no sentido de promover um mundo melhor e mais justo, fique de olho no blog da Ago Social!

Temos novas postagens toda semana!


*Rede focada em promover o desenvolvimento sustentável com atuação em mais de 90 países.

Adicione um comentário

Your email address will not be published.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.